O Brasil tem cerca de 30 milhões de obesos, algo como 1/5 (um quinto) da população. Com o aumento dos casos aumenta também a procura pela cirurgia de redução de estômago, ou bariátrica, método usado para o tratamento da obesidade.

A cirurgia de redução de estômago, gastroplastia ou cirurgia bariátrica é uma plástica do estômago, onde ele será diminuído de forma permanente ou temporária e além disso poderá ser feita uma ligação direta do estômago com o intestino, mantendo o tamanho original do órgão ou não.

Indicação

O procedimento é indicado para obesos com IMC acima de 35 e menor que 40 que tenham complicações por conta da obesidade, como diabetes e pressão alta, e para obesos com IMC acima de 40. É necessário já ter tentado emagrecer por outros métodos, mas sem sucesso.

Métodos

Pode-se fazer pela método da laparotomia, onde é feito um corte na barriga, ou por videolaparoscopia, onde são feitos de 3 a 6 furos no abdômen onde o médico insere instrumentos com câmeras e realiza a cirurgia assim, sem grandes cortes.

A recuperação da cirurgia feita pelo método da laparoscopia é muito mais tranquila.

A redução do estômago pode ser feita de forma permanente, retirando parte do estômago e do intestino ou temporária, com o uso de um balão intragástrico ou de uma “cinta” para diminuir o tamanho do estômago.

Saiba mais sobre os métodos de redução de estômago aqui.

Recuperação

A cirurgia requer exames no pré operatório e um pós com acompanhamento médico e psicológico.

Após a cirurgia pode ou não ser necessário o uso de um dreno. É normal sentir dor e desconforto ao se alimentar. A alimentação após a cirurgia deverá ser líquida por 1 semana, pastosa por 1 mês e só depois o paciente poderá voltar a consumir alimentos sólidos. É importante seguir uma dieta indicada por nutricionista, evitando alimentos que possam agredir o estômago (temperos em excesso, refrigerantes, etc).

A recuperação da cirurgia varia de método para método e o índice de pacientes que tem complicações graves em decorrência da cirurgia de redução de estômago não passa de 2%.

Manutenção do peso

É importante saber que 50% das pessoas que fazem a cirurgia de redução de estômago voltam a engordar e 5% voltam a ser obesas como antes da cirurgia. O procedimento não é milagre, é necessário reeducação alimentar e exercícios físicos para emagrecer e manter o peso.

Como pode-se eliminar 60% ou mais do peso corporal, é provável que depois do emagrecimento seja necessária uma cirurgia plástica para remover o excesso de pele.

Síndrome de Dumping

O Dumping é um mal estar que decorre da rápida passagem da gordura e açúcar pelo intestino após a cirurgia de redução do estômago. Os sintomas são enjoo, diarreia, sonolência e desmaios. Quando ele acontece é importa rever a alimentação, pois normalmente ele ocorre quando a pessoa ingere carboidratos simples como pão, massas ou açúcar.

Leia mais sobre Duming aqui.

Preços

A cirurgia bariátrica por videolaparoscopia pode custar de R$ 10.000 a R$ 30.000 e já há alguns planos de saúde que a cobrem. Pelo SUS é coberta apenas a cirurgia pelo método que faz um corte na barriga e a fila de espera pode passar de 4 anos. Pode-se procurar pelo procedimento em hospitais universitários.

Antes de cogitar partir para a cirurgia é interessante conferir depoimentos de quem já passou por isso. As complicações são raras mas podem ocorrer, afinal uma cirurgia é uma cirurgia.

Opinião de um médico sobre a bariátrica:

Seguem vídeos interessantes de quem passou pela cirurgia bariátrica:

Alguns vídeos da Milla Vlog:

Alguns vídeos da Stefani’s World:

Alguns vídeos da Karina Correia:

Saiba mais: