Desde que comecei a emagrecer e estudar de verdade ouvi vários “nossa, como você está bem!” e também muitos “nossa, como você conseguiu ?”. É nessa hora que faço um resumo e ao final ouço “nossa, eu até poderia fazer isso, mas não consigo me controlar”.

Você já pensou que estupradores e homicidas também não conseguem se controlar e por isso cometem crimes? Já parou pra pensar que pessoas traem e magoam as outras pro agirem por puro impulso?

Vamos aos fatos:

É segunda feira:

Você decidiu começar a dieta e jurou que dessa vez seguiria até o fim, até alcançar a sua meta.  Aproveitaria para economizar e comprar finalmente seu apartamento. Ah! E dar mais atenção as crianças.

Viu fotos de gente com a barriga trincada, leu a Forbes e a página de comportamento do MSN para se inspirar. Corpo sequinho, investimento a médio prazo e família feliz, esses eram seus objetivos.

Então chega no trabalho, te oferecem biscoito e você aceita.

Na hora do almoço e você gasta come na lanchonete mesmo tendo levado seu almoço na marmita.

Chegando em casa olha para os filhos como se fossem estranhos, balbucia algo como ” boa noite ” e se tranca no quarto.

No dia seguinte você acorda amassado, atrasado e derrotado. E assume que sua vida é como é e nunca vai mudar.

Por que nada muda se você não mudar.

E você não consegue mudar seus hábitos, não consegue frear seu instinto. Você até quer, mas não consegue se controlar. Ou acha que não consegue, e ao considerar isso como certo simplesmente acha normal as decisões destrutivas que toma e acredita ser mais fácil aceitar que tudo é como é e ficará como está.

Na sua cabeça a culpa é de quem te oferece besteira, a culpa é do fato de você trabalhar num lugar com lanchonete. A culpa é dos seus filhos que não te entendem. A culpa é dos outros, eles que te boicotam, eles que fazem com que não dê certo.

Né?

Não.

A culpa é sua.

Ninguém te irrita, você se irrita com os outros. Ninguém coloca a comida dentro da sua boca e te obriga a mastigar, você come por que quer. Seus filhos querem conversar mas você não tem tempo, ou diz que não tem. Nunca tem, pra nada. Nem pra conquistar o que quer, nem pra realizar seus sonhos.

Para. Para com isso. Para com tudo. Para agora.

Você é quem sempre quis ser?

Você tem tudo que sempre quis ter?

E se não, o que está fazendo para resolver isso?

A culpa é sua.

E isso é maravilhoso, pois quer dizer que toda a responsabilidade está nas suas mãos.

Você é o Deus da sua mente. Você é o mestre da sua vontade. Você é o general das suas ações.

Você é seu. Já parou para pensar nisso?

Você é dono de si, e pode fazer consigo o que quiser e bem entender.

Seja para o bem, ou para o mal.

Eu não vou te dizer que vai ser fácil. Conquistar seus sonhos, ser quem sempre quis, arriscar tudo, fazer dar certo. Não vai ser fácil.

Vai doer. Você vai ter que abrir mão de algumas coisas.

Mas vai passar.

E você vai conseguir se perseverar. É certo. Prometo pra você.

Pois vai entender que quem resiste e persiste atinge seus objetivos.

Dor todos temos, sofrimento é opcional. Não se corroa lamentando o que deixou de fazer. Veja que aquela renuncia é justificada por um objetivo maior. Doeu, mas passou. Comemore, essa foi sua primeira vitória.

A primeira de muitas.

Diga “NÃO” para a sua vontade. Grite com ela, trate-a mal.

Diga “SIM” para a sua razão. Para o seu “eu” de amanhã. Para o seu objetivo maior. Para quem você quer ser.

NUNCA mais diga “eu não consigo me controlar“. Você não é um animal. Você não é só instinto. Você não é só preguiça, fome, desejo, tesão. Você é mais. Você é inteligência, força, razão.

Use sua razão para identificar o que você pode mudar em si e ao seu redor. Seja o quer ver no mundo, dê o seu melhor em tudo. Seja quem você quiser, só depende de você.


Estava doente, cansada, triste. Se sentia perdida e derrotada. Naquele dia acordou com alguma alegria e pensando nisso decidiu que aquele seria o dia da mudança. Estava se destruindo, precisava resolver isso. Preparou marmitas e prometeu que hoje começaria a se cuidar.

Chegou cedo ao escritório naquela terça feira. Sentou na mesa, abriu um pote de frutas e começou a devagar. Ligou o computador e começou a checar os emails quando, passados alguns minutos, ela chegou.

Era intensa, desregrada, atrevida. Envolveu-a em leve brisa e atiçou seu desejo, sua vontade… seu mal.

Não era fome, era vontade de comer.

  • Oi Mari, nossa, me atrasei! Comprei pão de queijo aqui embaixo, você quer?

—–#—–

Ela apertava seu braço, forte. Ela suspirava em sua nuca, profundo. Ela encostou nas suas costas e sussurrou no seu ouvido:

  • Aceite, você sabe que quer.

Sim, ela queria, muito. Naquele momento aquilo  era fisiológico, instintivo, irracional.

Mas de repente tudo mudou.

Chega. Já fiz isso antes, vou me arrepender depois. Preciso conseguir dessa vez. Preciso me controlar. Preciso resolver isso logo. Eu já fiz isso antes e antes e antes… e sempre. Não, hoje não, não e não e nã…

De repente olha nos olhos da vontade.

Ela ri num sorriso de lado, esnobe.

  • Você vai comer, porque é isso que você quer.

—–#—–

  • Não Lu, obrigado.

  • Nossa, mas você ama!

  • Acabei de comer, obrigado.

Passou o dia séria e voltou pra casa calada. Tomou um banho, pegou um edredom no armário e deitou cedo. Estava sentindo algo estranho, não sabia se era bom ou ruim. Era algo inédito.

Quando já estava quase entrando em um sonho riu num sorriso de lado, esnobe, e balbuciou algo como…

“Eu consegui!”


Comece hoje. Agora. Será difícil sim. Você vai arder, vai chorar, vai sentir ódio e rancor de si e do mundo.

Mas vai passar. É o seu corpo se rebelando. Nenhuma mudança de hábito é fácil, mas é algo que pode ser mudado, algo que só você pode mudar.

E você vai conseguir.

Confie em mim. 

” Senhor, dai-me força para mudar o que pode ser mudado, resignação para aceitar o que não pode e sabedoria para distinguir uma coisa da outra.” – Francisco de Assis