Quando soube que o filme Sing – Quem Canta os Males Espanta era da Illumination Entertainment logo quis assistir. A produtora de filmes americana também produziu Meu Malvado Favorito, Minions e Pets – A Vida Secreta dos Bichos, animações que cativam crianças e adultos e das quais sou fã.

Filme Sing Quem Canta os Males Espanta

O filme é uma animação musical onde os personagens são animais. Nele Buster Moon, um coala apaixonado por espetáculos, promove um concurso de canto para tentar levantar seu teatro e evitar que o banco o tome.

A ideia logo me lembrou programas como The Voice Brasil e The X Factor, que também são concursos de canto e fazem sucesso em todo o mundo.

Durante grande parte do filme os personagens interpretam canções de Frank Sinatra, Bruno Mars, Katy Perry e muitos outros hits. As vozes são de tirar o fôlego, e dentre alguns dubladores temos Reese Witherspoon e Scarlett Johansson na versão original e Sandy, Wannessa Camargo, Mariana Ximenes e Fiuk na versão dublada. As canções seguem nas vozes originais.

Filme Sing Quem Canta os Males Espanta

No decorrer da história descobrimos um pouco mais sobre as famílias e sonhos dos participantes do concurso, e assim nos envolvemos emocionalmente com cada um deles. Pode-se sentir a paixão pela música e a força do sonho de expor esse talento para o mundo.

Ah, vale prestar atenção especial na secretária de Moon, uma senhora muito fofa que tem um olho de vidro um tanto quanto hiperativo.

Filme Sing Quem Canta os Males Espanta

Assisti ao filme na sessão de 18:40 no Kinoplex do Shopping Tijuca, em 3D e a sala de cinema estava cheia. O filme tem 1h e 50 min que pouco se percebe passar.

Confesso que não sou fã de filmes 3D, pois os óculos me incomodam e acabo tirando e colocando várias vezes, porém por Sing valeu a pena.

Opinião Final

O filme destaca a importância da persistência e dedicação a fim de alcançar nossos sonhos. Além disso, reforça a importância da família e valoriza a amizade verdadeira e o apoio sincero.

O história ainda chama atenção para questões como timidez, relacionamento abusivo, divergências de carreira na família e a participação dos homens na criação dos filhos e cuidados com o lar. Tudo isso de forma leve e fazendo com que, no final, tudo seja superado.

Emocionei-me muito com a animação e confesso que ela é do jeitinho que gosto: Animais humanizados unidos por um objetivo em comum. Como plus ainda temos músicas deliciosas de ouvir e danças incríveis. Não há como assistir ao filme Sing e não sair do cinema diferente de como entrou.