Há poucas semanas acolhi uma gatinha que achei na rua. Eu estava a caminho do banco quando notei que algumas pessoas olhavam para a roda de um carro, e quando olhei lá estava uma pequena bolinha de pelos cinza e preta. Um senhor que a estava observando me explicou que já tinha muitos gatos em casa e perguntou se eu gostaria de levá-la, e assim o fiz.

A gatinha era filhote, tinha por volta de 2 meses. Eu a escondi na bolsa no caminho de volta pra casa e ela apenas dormiu. Estava faminta e muito cansada.

Chegando em casa dei um banho caprichado e descobri que ela não era cinza com várias manchas pretas, mas sim branca com poucas manchinhas. Cuidei de seus olhinhos, cortei as unhas, limpei as orelhas e a alimentei. Ela não parava de ronronar e dormiu durante o resto do dia.

resgate de animais bárbara cavalcante

É mágico resgatar animais de rua, dar lar temporário ou adotar. Eu já fiz os quatro e digo que você não sairá de nenhuma dessas experiências sendo uma pessoa igual de quando ela se iniciou. Essas coisas mudam a gente, transformam nossa visão de mundo e nos fazem pessoas melhores.

Depois de cuidar da gatinha consegui uma adotante muito amorosa para ela. Dei sorte de ser uma pessoa próxima e que sempre me manda fotos da pequena. Mais uma história com final feliz! 😀

Após falar sobre tudo que aconteceu no meu instagram (@barbaradoblog) recebi muitas mensagens de pessoas dizendo que adorariam poder resgatar animais de rua, mas que ou não sabem o que fazer, ou não podem porque moram em apartamento, tem outros animais e outros motivos. Por isso decidi fazer este post falando mais sobre como resgatar animais de rua.

Como convencer a família?

Eu moro em apartamento com meus pais, meu irmão, dois cachorros e um gato. Em certo momento da vida eu disse aos meus pais que não fazia sentido eu passar por um animal precisando de ajuda e não ajudá-lo se eu tivesse condições. Assim, combinamos que eu resgataria os peludos que aparecessem na minha frente precisando de ajuda, cuidaria deles e depois os encaminharia para adoção. Eu já dei lar temporário também, porém como hoje moro numa rua onde são abandonados muitos animais, prefiro dar preferência a eles.

Encontrei um animal de rua. O que fazer?

É importante observar se o animal apresenta algum sinal de doença, como olhos com pus, machucados pelo corpo etc. Nesse caso é sempre bom levá-lo ao veterinário antes de ir pra casa. Caso ele esteja aparentemente bem e só precise de um banho, leve-o para casa e dê banho com água morna e sabonete neutro.

Observe o comportamento do animal e evite mordidas e aranhões mantendo uma distância segura. Após o banho deixe o peludo num ambiente isolado da casa – no meu caso deixo no box do banheiro – com água, comida, uma caminha quentinha e um local para ele fazer suas necessidades. É importante que evitar o contato dele com os outros animais da casa, caso haja.

Como divulgar e conseguir um adotante?

Tire fotos boas do peludo – fotos claras e nítidas – e comece divulgando no seu perfil do facebook, instagram e para amigos pelo whats app, grupos etc. Na publicação conte como achou o animal, quais os cuidados que teve com ele, como ele está de saúde, idade, sexo, cor e fale sobre a personalidade dele. Diga que o animal está para adoção, que busca um lar seguro e amoroso e informe seu contato. Indico inbox pelo facebook sempre, aí depois de saber mais sobre a pessoa e concordar com a doação você passa seu whats app ou combinam a entrega do peludo por ali mesmo.

cachorro vira lata

Caso ele já for adulto não se esqueça de considerar que pode estar perdido, sendo assim divulgue-o nas redes dizendo isso, que quer adoção para ele ou achar o dono. As condições do animal no momento do resgate podem te dar uma ideia se ele está perdido – se estiver em forma, bem cuidado – ou se já era de rua – magro, sujo demais.

Depois que doar acabou?

É importante deixar claro para o adotante que caso algo dê errado ele pode entrar em contato com você. Depois da entrega do animal entre em contato para saber se deu tudo certo e fique á disposição. Isso passará mais segurança ao adotante e evitará que o animal seja, por algum motivo, abandonado. Não acho legal ficar pedindo fotos toda hora, mas dá pra acompanhar o peludo pelo insta/face do adotante e pedir notícias de tempos e tempos.

Me apeguei, e agora?

Ficar com o resgatado vai de cada um. Eu decidi por doar todos pois eu já tenho a quantidade de animais que consigo sustentar – vacinas, cuidados veterinários, alimentos, etc – e resgatando e doando consigo ter sempre disponibilidade para resgatar mais animais, enquanto se tivesse uma casa lotada em algum momento a situação ficaria inviável.

Entendo que com o cuidado e convivência acabamos nos apegando, mas temos que entender que estamos sendo uma ponte para que aquele peludo fique bem e consiga um lar seguro e amoroso, e assim poderemos ajudar sempre mais peludos a ter um futuro melhor.

Nesse sentido o resgate e os cuidados são um grande exercício de dedicação e desapego. Por isso eu disse que você sairia dessa experiência melhor do que quando entrou! 😉

Se você puder e quiser ficar com o peludo, pense sobre tudo que falei: Gastos veterinários, vacinas… comida. Para cães e gatos são necessárias ao menos 2 vacinas anuais, e por aqui – Rio de Janeiro – cada uma sai por +- R$ 60. Quanto aos gastos veterinários, uma consulta com veterinário custa em torno de R$ 100, sendo no mínimo 2 consultas anuais, uma a cada 6 meses. Aí não contei os exames de sangue e outras coisas em casos de emergência, como uma consulta em clínica 24h que pode custar até R$ 180. Para quem alimenta os cães com ração boa, um saco de 15 kg sai por no mínimo R$ 100, e deve ser mensal. Por ano, com todos os valores que mencionei, temos R$ 1.520 anuais, fora emergências, brinquedos, etc. Será que você tem condição de arcar com isso? Ainda mais se tiver mais de um animal!

Pense bem. Infelizmente já presenciei amigas protetoras virarem acumuladoras de animais, onde nenhum tinha o mínimo de cuidado necessário – como vacinas, alimentação adequada ou ambiente tranquilo – por falta de condições dela em mantê-los. 🙁

Caso você sinta que pode arcar e quer muito o peludo, acolha-o e saiba que é uma atitude muito nobre adotar um animal abandonado. Eu adotei meu vira lata e o vi em seus piores e melhores momentos. Hoje ele faz parte da minha vida e tem lugar cativo no meu coração. ❤

Não posso resgatar, mas quero ajudar!

Falei mais sobre como ajudar a causa animal sem precisar resgatar animais de rua nesse post.

Espero ter ajudado e peço que, se você tem condição e pensa em ajudar a causa animal, considere resgatar animais de rua. Se cada um fizer o mínimo que pode, muitos animais sairão de situações de perigo e terão chance de conseguir um lar com amor.