Sapato caríssimo que machuca os pés. Sutiã que bombou na passarela mas mal acomoda os seios. Corset, cinta, calcinha, jeans: Marcas. Muitas delas.

O design é mais importante que o conforto. A mulher tem que estar linda, se está bem é outro assunto, mas mal importa afinal quem quer estar bonita tem que sofrer, não?

Não.

Por anos eu ouvi de todas as mulheres da minha família que pra ser bonita mulher tem que sofrer. Assim conheci a dor da depilação, do secador quente fritando minha cabeça, de fazer sobrancelhas e das dietas.

No fim eu nunca ficava parecida com o ícone de beleza, com a menina da TV, com a modelo da revista. Nunca ficamos.

O problema é que nos sentimos mal com isso, como se estivéssemos erradas. Não querer passar pela dor da depilação nos faz sentir pessoas piores. Nos escondemos e nos classificamos como sendo menos mulheres, menos femininas, quase “um dos manos”.

Porém o problema não está em nós, mas na descaracterização do ser humano: É como se ter Pelos, diferentes tipos de cabelo ou diferentes tipos de corpo fosse algo errado.

Você não tem que usar um sutiã que te machuca. Não tem que mergulhar na cera quente pro boy te amar. Não tem que usar fio dental pra ficar sexy nem tem que viver de cinta pra ter a cintura de sei lá quem.

Você é linda do jeito que é, usando o que gosta, com o corpo que tem.

“Sofrer pra ficar bonita.”

Bonita pra quem?