Desde que soube do lançamento do filme É FADA – ou o filme da Kéfera, como é mais conhecido – fiquei curiosa. A história é inspirada no livro “Uma fada veio me visitar”, da escritora Thalita Rebouças. Acompanho a Kéfera há algum tempo, vi o clipe do filme pela primeira vez num vídeo dela e seu entusiasmo me contagiou.

Eis que dia 11/10 fui ao cinema Kinoplex do Shopping Tijuca na sessão de 21h para assistir ao É FADA. Por incrível que pareça meu irmão, fã de filmes históricos, decidiu assistir comigo.

FILME É FADA

O filme conta a história de Geraldine – interpretada por Kéfera – uma fada desbocada e atrapalhada que perdeu suas asas por não conseguir a vitória do Brasil na Copa do Mundo de 2014 (em que perdemos de 7×1 para a Alemanha). Como uma última chance para Geraldine recuperar suas asinhas, a voz suprema das fadas a manda ajudar Julia – Klara Castanho – uma adolescente que sofre com conflitos familiares e se sente deslocada na escola nova.

No filme, Julia é rejeitada por um grupo de patricinhas e Geraldine tenta mudar a menina para que ela se torne parte do grupo. No processo Julia mente e se desentende com os pais, quase perde a amizade de Pedro, garoto que a recebeu super bem no novo colégio, e quase morre ao tentar invadir uma balada para maiores.

FILME É FADA

FILME É FADA

Achei as transições e colagens do filme muito grosseiras, como na cena da Kéfera falando com a voz  suprema das fadas. Uma mal acabava de falar e já vinha a fala da outra, tudo muito atropelado.

Vilma Teresa e a mãe da Kéfera aparecem no filme e achei que super casou. Vi muitas opiniões de pessoas criticando a hora em que a Vilma Teresa começa a falar e se transforma num gnomo, mas eu achei ok.

Ao mesmo tempo em que a história é infanto juvenil – uma fada que vai ajudar uma adolescente rejeitada – há partes bem pesadas. Como quando Geraldine tira a varinha do ânus e a cheira e quando ela seduz um gnomo e dá a entender que em 5 minutos eles farão “algo“.

Também senti que o filme trata a questão “ficar” de uma forma muito… fria. A fada ajuda Julia a ficar com um menino que uma das patricinhas gosta só para que ela virasse melhor amiga de outra patricinha. Como se fosse normal o corpo ser uma moeda de troca.

Na verdade é tratado como algo normal mesmo, mas não deveria ser.

FILME É FADA

O filme tem a classificação indicativa de 12 anos, assim crianças menores só podem assistir na companhia de um responsável.

O filme é cheio de hits, inclusive músicas da Anitta e Ludmilla. Tem até um CD com todas as músicas do filme.

Antes dos créditos passou também o clipe da Kéfera cantando e dançando É Fada. Saí de lá cantando “essa fadona essa fada essa fadona essa essa fadinha” e já aviso que a música fica na cabeça um bom tempo!

É Fada tem 1h e 25 minutos de duração e é o filme com mais sessões no cinema. Investiram pesado em divulgação, pois em todos os lugares tinha propaganda: TV, ônibus, metrô, revistas… todo lugar.

O Filme é um sucesso de bilheteria o que é algo óbvio que aconteceria, afinal a Kéfera tem mais de 10 milhões de seguidores só no Youtube. Porém tanto na plataforma quanto fora dela, a crítica está caindo em cima do filme e infelizmente a maior parte delas é bem negativa.

Opinião final

Gosto muito da atuação da Klara Castanho – desde que ela fez a Paulinha na novela Amor à Vida – e achei que a Kéfera foi legal também, mas como já assisto ela no Youtube e sua personagem no É Fada seguiu o perfil de comédia do canal, acho que tudo soou mais natural. Soube que ela vai estrear um filme de drama, e aí sim poderemos falar mais sobre atuação.

O que me incomodou foram os palavrões, a insinuação sexual e as transições grosseiras, mas a história é legal e mostra que aprendemos com a vida que sermos nós mesmas é sempre melhor.

Além de tudo a música do É Fada não sai da minha cabeça.

É normal que adultos achem o filme bobo, afinal ele foi feito para um público muito mais novo, focando principalmente no público da própria Kéfera. Acho que os produtores acertaram em apostar nesse nicho, pois o filme É Fada já ultrapassou 1 milhão de expectadores.

Recomendo para quem já curte a Kéfera, assim o filme fica ainda mais interessante e é muito legal ver uma pessoa a qual acompanhamos em outros formatos.